fbpx

Manifesto SerDual

Existir plenamente é a nossa proposta, mas o que é isto, de facto?

Eis o maior mal deste milênio: a inexistência – e é contra isso que estamos a agir.

Ser inexistente é estar desalocado da estrutura existencial: existe-se por ter um corpo, mas inexiste por não ter uma alocação no que se percebe como a estrutura da vida, e percebe-se não fazer mais parte de nada, e nem mesmo há com quem se possa dialogar sobre o que se sente, pois as pessoas estão alucinadas, a correrem sempre, sem nunca saberem para onde estão a ir.

O inexistente é um resistente, não é um doente. E não há cura, pois não há doença!

A inexistência é um problema quando ignorada, quando desprezada. A condição de inexistência é o nosso ponto de partida, para perceber que o “problema” não está no indivíduo, mas sim na estrutura. O “mal” é acreditar que a individualidade é livre e responsável por tudo o que ocorre com ela. Não é, mas um dia quase já foi. E é este movimento que buscamos resgatar, a dar uma nova dignidade ao indivíduo.

A SerDual nasce com este manifesto dos inexistentes, dos que querem mais da vida, mas não ao ponto de entregarem o que lhes resta de humanidade e decência. Não quer mais se submeter aos jogos que sempre jogou sem nunca saber quais suas regras. Não quer ganhar, mas também não quer perder. Quer viver, e viver a existir plenamente.

A nossa estratégia é a conscientização, o pensamento, e as nossas investidas são na Filosofia, na Psicologia e na Psicanálise, mas também na Ética, na Antropologia, na Sociologia, na Política e em todas as formas de interpretações do que realmente seja o sagrado individual e existencial, da força que nos move para frente e que nos mantém existentes. Há algo aí, neste sagrado existencial, mas não é bem o que insistem em nos convencer…

Para além disso tudo, buscamos perceber os nossos fluxos de vida e o Mapeamento Existencial passa a ser a nossa principal ferramenta para percebermos a nossa atual alocação e a nossa orientação, a dar-nos alguma liberdade e prazer na vida.

Todos os conhecimentos e técnicas são e precisam sempre serem fundamentadas. Assim, a obra central não é apenas o esquema conceitual do possível, apresentado no livro O Guia Cínico e Selvagem dos Jogos da Vida, mas também todas as formas do conhecimento que se mostram úteis de serem apreendidas em nossas atividades.

Assim, retomamos se não o controle, ao menos a consciência de nossa própria existência. E podemos superar dentro de uma saudável comunidade problemas que se parecem comuns, que se afinizam, e nos deixa mais humanos e despertos para a vida.

Que venham as melhores batalhas!

Que comecem os novos jogos da vida!

X